RC Empresarial

O QUE É ? – RC EMPRESARIAL

O seguro de responsabilidade civil (RC) cobre, até o limite máximo da importância segurada, perdas resultantes de danos corporais e materiais causados a terceiros, desde que sejam involuntários e acidentais. Ele garante o reembolso das quantias pelas quais a empresa segurada possa vir a ser responsabilizada civilmente, após sentença judicial transitada em julgado (sem possibilidade de recurso) ou em acordos autorizados, por escrito, pela seguradora.

É cada vez maior o número de brasileiros que recorrem à Justiça para pleitear indenizações. O Código de Defesa do Consumidor ampliou os direitos dos cidadãos e atribuiu mais responsabilidades às empresas. Os tribunais, constantemente, decidem a favor dos direitos dos reclamantes.

Portanto, qualquer pessoa física ou jurídica (empresa) necessita da cobertura de seguro de responsabilidade civil por não estar livre de praticar um ato ilícito. Porém, as apólices de RC não cobrem obrigações contratuais.

Em relação ao ato ilícito causando prejuízo a terceiros, duas ideias principais definem seu significado:

  • Ação ou omissão praticada por alguém que age com culpa, ou seja, envolve dolo, intenção de causar o dano. A culpa decorre de negligência, imprudência ou imperícia.
  •  Abuso de direito exercido por pessoa que ultrapassa os limites permitidos em razão das finalidades do direito, seu fim econômico e social, boa-fé e os bons costumes.

O Código Civil Brasileiro (artigo 927) obriga o indivíduo ou a empresa que cometeu ato ilícito a reparar o dano mediante indenização, de acordo com o princípio de responsabilidade civil.

Na contratação do seguro de RC, em geral, o conhecimento necessário para identificar todas as coberturas importantes para a proteção da empresa é insuficiente. Uma apólice simples, por exemplo, cobre apenas atividades normais do segurado em seu local. Outras coberturas ou apólices podem ser contratadas para exposições adicionais, como danos causados pelos produtos que o segurado vende, danos de poluição e danos a veículos guardados.

Mesmo quando um seguro específico se faz necessário, é o corretor quem poderá identificar as exposições de risco a perdas acidentais e complexas que a empresa apresenta.

Diferenças entre seguro de RC e Lei de RC

Enquanto a Lei de RC impõe obrigações sob pena de pagamento de indenização de prejuízos causados a terceiros, uma apólice de RC cobre riscos contra perdas acidentais involuntárias decorrentes de danos a pessoas e ao patrimônio alheio.

Quando uma vítima recorre à Justiça contra seu agressor a responsabilidade civil é determinada pela lei. É a decisão do juiz que impõe ao réu pagar pelos danos que causou. O que consta da apólice de seguros não influencia o processo judicial, ou seja, não interfere na obrigação legal do réu.

A Justiça pode obrigar o segurado a pagar prejuízos reclamados, mesmo que o risco seja excluído da apólice. Por outro lado, ainda que a apólice de seguros cubra determinada situação, essa cobertura só será realmente útil se o juiz obrigar o segurado a pagar a indenização ou a seguradora concordar expressamente que o segurado é responsável pelo dano.

A existência de outros seguros (como vida e acidentes pessoais) não ameniza a responsabilidade do réu perante a lei.

Exemplo

Um empresário da construção civil, ciente de que seus empregados podem se machucar no trabalho e, como consequência, ter direito à indenização por negligência, resolve contratar para cada empregado um seguro de vida de R$ 50.000,00, cobrindo morte e invalidez. Se um dos empregados se acidentar por culpa do construtor e ficar inválido, receberá seu seguro de R$ 50.000,00.

Nada impede, no entanto, que o empregado ingresse na Justiça com ação contra o construtor exigindo compensação pelas despesas médicas, por uma renda futura que ficará impossibilitado de receber, etc.

A alegação do construtor de que providenciou um seguro de vida em nada diminuirá sua responsabilidade civil nem abalará a decisão do juiz, caso esta seja favorável ao segurado.

Quais são os elementos da responsabilidade civil?

Os elementos ou pressupostos gerais da responsabilidade civil são os seguintes:

  • ação ou omissão
  • culpa • dano
  • nexo causal

Ação/omissão

Fazer algo contra alguém (ação) ou deixar de fazer (omissão) são situações que podem ser configuradas como de responsabilidade civil. A ação (ou omissão) tanto pode ser dolosa quanto culposa. O que distingue uma da outra é a intenção do agente de prejudicar ou não terceiros.

Quando a ação/omissão tem intenção deliberada (voluntária) ocorre o dolo, que é punido no campo do direito penal. O seguro de responsabilidade civil não cobre os danos resultantes de atos dolosos, porque o seguro não resguarda o segurado da responsabilidade oriunda do ato doloso, pois o prejuízo não tem origem acidental, fortuita.

A ação (ou omissão) culposa se caracteriza pela ausência do desejo de prejudicar, embora provoque prejuízos. Nesse caso, a culpa obriga à reparação do dano, e o prejuízo pode ser coberto pelo seguro de responsabilidade civil.

Culpa

A culpa é, portanto, decorrente de prática ou de ausência de ação, caracterizada por imprudência, negligência ou imperícia.

A negligência ocorre pela omissão. Por falta de cuidado ou de zelo, o sujeito deixa de executar certa atividade que teria evitado o resultado danoso.

Exemplo

Dirigir veículo com pneus gastos constitui negligência.  

Na imprudência, o sujeito age sem prever integralmente as consequências da ação.

Exemplo

Dirigir em velocidade incompatível com a estrada ou acima do limite de velocidade constitui imprudência.

Na imperícia, o sujeito age sem a habilidade técnica que deveria possuir como profissional habilitado (médico, motorista, engenheiro, advogado etc.).

Exemplo

Calcular mal a distância e o espaço numa ultrapassagem, causando colisão com danos, constitui imperícia.

A culpa pode ser também:

  • Grave – aquela que decorre da negligência ou imprudência grosseira e se aproxima do dolo;
  • Leve – aquela que se caracteriza como um desvio que não condiz com as cautelas do homem médio (falta de atenção ordinária); ou
  • Levíssima – aquela que só seria evitável com atenção extraordinária, especial habilidade ou conhecimento singular.

As apólices de seguros geralmente cobrem danos causados por culpa leve ou culpa levíssima do segurado, excluindo a culpa grave, que se aproxima do dolo.

Na prática, não é fácil distinguir os casos de culpa grave para efeito de excluir a cobertura de seguro de responsabilidade civil, dada a dificuldade de se provar o elemento subjetivo, ou seja, a intenção de má-fé. A jurisprudência quase nunca reconhece a culpa grave, favorecendo, assim, os segurados.

A responsabilidade pela reparação de um dano pode decorrer de ato próprio ou de ato de outra pessoa. Neste último caso, o dano resulta de ação ou omissão de um indivíduo que está sob a responsabilidade de outro. Aqui a culpa pode ser caracterizada de duas maneiras: culpa in vigilando ou culpa in eligendo.

A culpa in vigilando decorre da falta de atenção do responsável pelo comportamento da pessoa que está sob a sua responsabilidade, devendo, por esta razão, responder pelos prejuízos causados por ela. É, por exemplo, o caso de um filho menor de idade que quebra a vidraça do vizinho. O responsável pela reparação do dano é o pai.

A culpa in eligendo decorre da má escolha daquele a quem se confia a prática de um ato ou o cumprimento de uma obrigação. Por exemplo, o empregador que admite ou mantém a seu serviço empregado não habilitado legalmente ou sem as aptidões requeridas para a função. Também está caracterizada quando há má escolha de fornecedor. Se um acidente for provocado por defeito nos dispositivos de segurança de um veículo, a montadora será responsabilizada civilmente.

No caso da indústria de construção, os tribunais têm decidido que o dono da obra também responde pelos eventuais danos que o construtor contratado tenha causado ao imóvel vizinho. O entendimento é que o dono da obra escolheu a empresa encarregada da sua execução, incorrendo, portanto, em culpa in eligendo. Ele, entretanto, só é responsável se agiu com culpa na escolha do construtor.

Exemplo

A empresa que contratou a Construtora XYZ para montar uma nova torre de resfriamento foi obrigada a pagar R$ 12 mil a um terceiro que, quando caminhava na calçada pública, foi atingido por um cabo de ferro pertencente à obra. O reclamante e seu advogado acionaram judicialmente a empresa dona da obra, em vez da Construtora XYZ. Como a empresa tinha seguro de RC Obras Civis para o projeto, o seguro a indenizou. Agora, a seguradora da empresa vai acionar a Construtora XYZ para tentar recuperar a indenização paga.

Dano

No Direito Civil, sem a produção de um dano não existe repercussão do ato ilícito.

O dano pode ser:

  • Pessoal – quando se refere à lesão corporal ou á doença sofrida por pessoa física (inclusive morte ou invalidez), em decorrência de ação ou omissão de outra pessoa. Hoje em dia, a jurisprudência já determina que o dano moral também pertença à classe de dano pessoal. O dano moral inclui injúria à personalidade, ao caráter, à reputação, calúnia, detenção indevida, difamação, invasão de privacidade e discriminação ilegal.
  • Material – quando se refere à ocorrência de dano físico a propriedade tangível, como a deterioração ou destruição de objetos, substâncias ou animais.
  • Imaterial – quando se refere a dano resultante da privação de um direito, da interrupção de uma atividade ou da perda de um benefício.

Nexo causal

É a relação de causalidade entre o ato (ou omissão) e o dano. A relação de causalidade identifica as responsabilidades.

Quando a Justiça reconhece a obrigação de indenizar prejuízos a terceiros?

Da conjugação dos quatro elementos – ação/omissão, culpa, dano e nexo causal – surge a obrigação de indenizar, não importando se o fato danoso viola simultaneamente a lei penal e a lei civil. A consequência jurídica do ato ilícito civil é a obrigação de reparar o dano.

A Justiça pode obrigar o culpado a pagar indenização à vítima para compensá-la por:

• gastos com o custo do conserto de uma máquina ou de um tratamento médico, por exemplo;

• danos econômicos consequentes, como, por exemplo, lucros que uma loja deixou de ter porque sofreu um dano físico; e

• danos não econômicos, como sofrimento, angústia etc.

Geralmente, o consumidor ou cliente do segurado reclama compensação financeira do prejuízo sofrido. É relativamente fácil atribuir esse valor monetário em casos como de custos médico-hospitalares, salário não ganho por tempo de recuperação, custos adicionais durante o tempo de recuperação (táxi), etc. Porém em casos de dor, sofrimento, angústia, danos à imagem e à honra é difícil estabelecer uma quantia para ressarcimento.

A Justiça pode, também, decidir que o culpado, além de compensar o dano, pague uma soma adicional (geralmente à vítima), punindo quem errou e dando um exemplo à sociedade. São os casos do estabelecimento de valores punitivos e exemplares.

Há, na legislação brasileira, multas cíveis sobre uma pena pecuniária, mas o assunto é polêmico. Um exemplo é a lei que estipula que, se uma vítima fica aleijada ou deformada por lesão corporal, a indenização a ser paga pelo causador do dano é duplicada. Em outros países, a Justiça frequentemente obriga o culpado a pagar valores punitivos e exemplares que superam os valores compensatórios.

Qual é o prazo de prescrição em ações de responsabilidade civil?

A prescrição é a extinção de um direito ou obrigação não exigida dentro de determinado prazo, ou seja, a perda do direito à ação judicial que não foi exercido no tempo legal.

Há duas situações distintas:

  • pretensão do terceiro prejudicado contra o causador do dano
  • pretensão do segurado contra o segurador

No Brasil, são aplicados dois prazos de prescrição para apresentar reclamação ou mover uma ação judicial relativa a ações de responsabilidade civil:

  • danos corporais: três anos
  • danos materiais: cinco anos

Por exemplo, se alguém for mordido por um cachorro, terá três anos para reclamar contra o dono do animal. Ou, se alguém danificar um prédio, o dono do prédio terá cinco anos para reclamar.

Uma vez registrada a reclamação dentro do prazo, o período de prescrição é interrompido. O tempo que decorrer a partir daí não constitui problema.

O prazo de prescrição atinge pessoas físicas e jurídicas. As reclamações podem demorar muito tempo para serem feitas, geralmente quando os reclamantes são pessoas físicas. Por isso, uma seguradora pode ter que pagar um sinistro reclamado muitos anos após o término da vigência do contrato (se a apólice for à base de ocorrência).

No caso dos seguros de responsabilidade civil em que o sinistro se configura, muitas vezes, com a reclamação da vítima, o Código Civil (art. 206) estabelece que “a pretensão do segurado contra o segurador, ou deste contra aquele prescreve em um ano, contado o prazo, para o segurado, da data em que é citado para responder à ação de indenização proposta pelo terceiroprejudicado, ou da data que a este indeniza, com a anuência do segurador”.

Dessa forma, o Código Civil estabelece que o prazo de prescrição comece a contar a partir do momento em que o segurado é citado em ação promovida pelo terceiro a quem prejudicou. Ou, ainda, a contagem do prazo prescricional inicia a partir do momento em que o segurado indeniza o terceiro com a concordância do segurador.

Isso ocorre pela natureza peculiar desse tipo de seguro, que é de reembolso, necessitando que o terceiro prejudicado manifeste a pretensão de ser compensado.

No entanto, a jurisprudência tem considerado que o fato que autoriza a ação judicial é a negativa do pagamento por parte da seguradora. Em outras palavras, o prazo começa a correr a partir da data em que a seguradora se manifesta contra o pagamento da indenização ou reembolso.

A prescrição pode ser interrompida, começando a correr novo prazo a partir da data da interrupção. No que diz respeito ao seguro, a interrupção se dá por meio de protesto judicial.

Excludentes da responsabilidade civil

Em alguns casos, quando o nexo causal (relação de casualidade entre o ato ou omissão e o dano) é apurado, a responsabilidade do suposto causador do dano cessa. Isso ocorre nas situações de culpa da vítima e de caso fortuito (ou força maior).

Se a vítima foi culpada pelos danos, a Justiça não responsabiliza outros. Um supermercado não pode ser responsabilizado pelo acidente de uma pessoa que, por imprudência dela mesma, cai e se machuca numa de suas lojas.

Da mesma forma, a Justiça não aponta responsáveis se a vítima sofreu danos por causa de caso fortuito ou de força maior. Um supermercado não pode ser responsabilizado se houver vítimas por causa de um furacão que derrubou seu teto.

TIPOS DE COBERTURAS – RC EMPRESARIAL

Que garantia oferece o seguro de responsabilidade civil geral?

O seguro de responsabilidade civil geral protege o patrimônio da empresa segurada contra riscos de danos corporais ou materiais causados a terceiros, que sejam de sua responsabilidade, desde que involuntários.

Ele garante o reembolso de riscos cobertos, até o limite máximo da importância segurada, dos valores de indenizações determinadas em sentença judicial transitada em julgado (sem possibilidade de recurso) ou em acordo autorizado, por escrito, pela seguradora.

O que são condições gerais, especiais, particulares e modalidades complementares do contrato de seguro?

As condições gerais são o conjunto de cláusulas contratuais que estabelecem as obrigações e direitos do segurado e do segurador.

As condições especiais se referem às diferentes modalidades de cobertura que podem existir no seguro de responsabilidade civil. Exemplos: seguro de RC de estabelecimentos comerciais e/ou industriais, RC obras civis, RC empregador, RC de produtos, etc.

As condições particulares individualizam determinados tópicos ou coberturas de um contrato em particular. Uma única apólice pode envolver diversas modalidades. É comum existirem apólices contendo várias coberturas.

As seguradoras costumam determinar que algumas modalidades só podem ser contratadas em caráter complementar.

Exemplo

As modalidades de RC-produtos no território nacional e riscos contingentes de veículos terrestres motorizados são complementares à de estabelecimentos comerciais e/ou industriais. Estas coberturas não podem ser contratadas isoladamente. O mesmo acontece com a modalidade RC-Empregador, que só pode ser contratada junto com outra modalidade associada ao risco de empregador.

As pequenas e médias empresas necessitam de quais modalidades de seguro de RC geral?

Cada empresa tem suas particularidades e seus pontos vulneráveis, características que dificultam determinar quais modalidades são mais adequadas. Vale lembrar que existem diversas opções de cobertura e que o seguro de RC geral se destina a vários casos específicos.

Por exemplo, uma indústria que produz máquinas tem maior risco de ser processada por danos a terceiros do que outra que fabrica tecidos, indicando que a primeira delas tem mais necessidade de seguro RC. Já uma grande empresa, embora seja mais sujeita a ter contra si uma ação de responsabilidade civil, tem mais recursos para negociar um acordo com o prejudicado.

Tudo Sobre Seguros recomenda às empresas médias e pequenas os seguintes passos:

  • Num primeiro momento, com o auxílio do seu corretor, fazer uma avaliação das principais modalidades existentes de seguro de responsabilidade civil geral e dos riscos que mais poderão afetar a empresa na ocorrência de um sinistro.
  • Em seguida, consultar algumas seguradoras que operam bem no ramo e obter cotação para a contratação do seguro, com duas ou três hipóteses de importâncias seguradas (Limites Máximos de Indenização, LMI) e respectivos custos, além de sugestões de contratações.
  • Finalmente, avaliar a melhor proposta, considerada a realidade e disponibilidade financeira da empresa, e contratar o seguro com as coberturas e os Limites de Importâncias Seguradas (LMI) adequados.

Quais são as principais modalidades do seguro de responsabilidade civil geral?

Existem vários tipos de cobertura que podem ser contratados de acordo com a atividade econômica da empresa. As opções oferecidas são:

Estabelecimentos comerciais/industriais

Cobre danos causados a terceiros decorrentes das atividades realizadas em locais de sua propriedade ou ocupadas pelo segurado, além de cobertura para danos causados por painéis, letreiros, eventos e a mercadoria transportada pelo segurado ou a seu mando etc.

Condomínios, proprietários e locatários de imóveis

Cobre danos corporais e/ou materiais de responsabilidade do condomínio, causados aos condôminos ou visitantes, desde que ocorridos nas áreas comuns do condomínio. 

Guarda de veículos de terceiros

Cobre riscos contra incêndio, explosão, roubo e furto, podendo ampliar as garantias a danos causados ao veículo e colisão quando conduzidos por funcionário habilitado do segurado. 

Empregador

Cobre acidentes causados pela empresa aos seus funcionários no exercício de suas funções. As coberturas são morte e invalidez permanente. A cobertura contra riscos materiais pode ser feita por cláusula particular. .

Riscos contingentes – veículos terrestres motorizados

Cobre danos decorrentes de acidentes relacionados à circulação de veículo, em caráter eventual, desde que o veículo não seja de propriedade da empresa segurada e que não tenha com ela nenhum tipo de relação contratual.   

Obras civis e/ou serviços de montagem e instalação de máquinas e/ou equipamentos

Garante o reembolso das indenizações pagas como reparação dos danos materiais ou corporais, sofridos acidentalmente por terceiros em decorrência da execução ou existência dos serviços e obras de engenharia. 

Prestação de serviços em locais de terceiros

Pessoas e empresas que prestam serviços em locais de terceiros geralmente precisam contratar essa modalidade específica que garante os danos corporais e/ou materiais decorrentes dos serviços de manutenção e limpeza, entre outras atividades semelhantes. 

Estabelecimentos de hospedagem, bares, boates, restaurantes e similares

Cobre danos causados pelo uso e conservação do local, pelas operações da empresa segurada no interior do estabelecimento, pelas programações de relações públicas e por alimentos e bebidas servidos. 

Exposições e feiras de amostra

A cobertura inicia na montagem e termina na desmontagem do evento, abrangendo danos corporais e/ou materiais a terceiros que estiverem na exposição ou feira. 

Estabelecimentos de ensino

Cobre o uso e a conservação do local de ensino, além das atividades educacionais e recreativas desenvolvidas no seu interior. 

Responsabilidade civil subsidiária por mercadorias transportadas por terceiros

Cobre danos materiais ou corporais causados a terceiros por mercadorias de uma empresa, durante o transporte, mesmo que este tenha sido realizado por transportadora terceirizada. 

Promoção de eventos artísticos, esportivos e similares

Cobre danos corporais e/ou materiais a terceiros que estiverem no evento, podendo ser estendido aos artistas e/ou esportistas participantes. 

Shopping Center

Cobertura contratada para shopping centers (que são considerados condomínios comerciais). As condições especiais são semelhantes às de RC condomínio. 

Clubes, agremiações e associações recreativas

Cobre riscos contra acidentes relacionados com o uso e a conservação do imóvel e com as atividades desenvolvidas nas suas instalações. 

Farmácias e drogarias

Cobre danos causados a terceiros pelo uso e conservação do imóvel, podendo ter a cobertura estendida para garantir contra riscos para a saúde no aviamento de receitas. 

Quais são os deveres e direitos do segurado e do segurador?

Os contratos de seguro estabelecem obrigações e direitos do segurado e do segurador. Para melhor entendimento, a empresa segurada deve solicitar a ajuda do corretor de seguros.

O seguro é um produto que pressupõe boa-fé dos contratantes e, portanto, é obrigação do segurado fornecer à seguradora, tanto para a elaboração da proposta como para a reclamação dos sinistros, informações corretas e verdadeiras. Informações falsas invalidam as coberturas.

Na apresentação da proposta de seguro, as condições contratuais devem estar à disposição do segurado. Qualquer alteração restritiva ou que implica ônus para o segurado, em quaisquer das condições do contrato, deverá ser realizada por endosso ou aditivo ao contrato, com a concordância expressa e escrita do segurado. A apólice deve apresentar, com destaque, as obrigações e/ou restrições de direito do segurado.


Outros Seguros de Responsabilidade Civil

 

Responsabilidade Civil Por Danos Ambientais

 

O Seguro de Responsabilidade Civil por Danos Ambientais – ou simplesmente Seguro Ambiental – garante o pagamento (ou reembolso) dos prejuízos por danos ambientais, resultantes das atividades comerciais ou industriais desenvolvidas pela empresa contratante.

É também uma importante ferramenta de gestão do risco ambiental, pois é feita uma análise prévia altamente especializada, por parte da seguradora, antes da aceitação do risco e emissão da apólice.

Principais coberturas do Seguro Ambiental

  • danos decorrentes de poluição súbita ou gradual
  • custos de limpeza e remediação, dentro e fora do local segurado
  • custos de recuperação ambiental
  • custos de resposta emergencial
  • danos corporais, morais e/ou materiais, causados a Terceiros, decorrentes dos danos ambientais
  • custos de defesa e honorários de advogados

Coberturas Adicionais

  • erros/serviços profissionais
  • prejuízos pela interrupção dos negócios (lucros cessantes da Contratante)
  • danos nos locais de descarte de resíduos

Passivos ambientais

Além dos sinistros ocorridos e reclamados durante a vigência da apólice contratada, o seguro prevê também cobertura para os sinistros ocorridos anteriormente à sua contratação, desde que desconhecidos da empresa Contratante.

Além das reclamações resultantes das atividades comerciais/operação, a cobertura do Seguro Ambiental poderá abranger também os seguintes casos:

Danos originados na propriedade/sede da contratante

Público alvo:

  • Indústrias químicas, alimentos, bebidas, petroquímicas, etc.
  • Mineradoras
  • Empresas geradoras de energia
  • Empresas de tratamento de resíduos
  • Distribuidora de combustíveis
  • Imóveis e condomínios
  • Hospitais
  • Escolas, universidades, etc.

Danos originados nos locais de terceiros, onde a contratante presta serviços

Público alvo:

  • Empresas de remediação, limpeza, tratamento de efluentes, etc.
  • Empresas de terceirização (condomínios comerciais, residenciais e industriais)
  • Empresas de manutenção, etc.

Danos decorrentes do transporte de mercadorias poluídoras pela contratante

Público alvo:

  • Transportadoras de produtos perigosos
  • Empresas de logística
  • Distribuidoras de combustíveis
  • Industrias químicas em geral

Responsabilidade Civil por Danos Ambientais no Transporte

 

O seguro de Responsabilidade Civil por Danos Ambientais no Transporte de Produtos Poluidores protege o Transportador (contratante do seguro) contra os danos causados a terceiros, pelo vazamento de produtos perigosos, poluentes ou contaminantes, decorrentes de acidentes relacionados com poluição súbita, acidental ou gradual, sob a forma de contaminação, vazamento, incêndio ou explosão.

Principais coberturas do seguro

  • danos materiais
  • danos corporais
  • danos morais
  • lucros cessantes (do reclamante/vítima)
  • honorários advocatícios (defesa do Transportador)
  • despesas com a reparação do meio ambiente, através da limpeza/remoção da área contaminada, até a destinação final dos resíduos, conforme determinar a Autoridade Ambiental, e atendendo aos dispositivos da legislação vigente.

Responsabilidade Civil do Operador Portuário

 

O seguro de Responsabilidade Civil do Operador Portuário garante o prejuízo pelos danos materiais e/ou corporais causados a Terceiros, desde que ocorridos no interior ou entorno da área portuária.

Entende-se por Operador Portuário todo e qualquer indivíduo ou empresa que presta serviços, executa operações em portos, ou que movimenta/armazena mercadorias destinadas e/ou provenientes de transporte aquaviário (marítimo ou fluvial), em instalações portuárias de uso privativo, situadas dentro ou fora da área do porto.

Estarão cobertos por este seguro os seguintes casos:

  • Morte e/ou lesão corporal causada a terceiros
  • Danos aos navios e/ou às embarcações
  • Danos às cargas a bordo
  • Danos a outras cargas sob cuidado, custódia e controle do Operador Portuário
  • Remoção de restos naufragados
  • Danos a propriedades de terceiros
  • Custos de defesa e honorários advocatícios

Responsabilidade Civil para Eventos em Geral

 

O seguro de Responsabilidade Civil para Shows e Eventos Sociais ou Artísticos protege tanto pessoas físicas quanto jurídicas que atuam na organização de eventos e/ou exposições, podendo esse seguro ser também contratado pelo cliente final (quem promove/oferece o evento).

É um seguro bem abrangente, cobrindo várias situações

  • acidentes ocorridos na instalação, montagem e desmontagem
  • danos causados por bebidas e alimentos fornecidos
  • danos morais
  • guarda de veículos de terceiros
  • danos ao conteúdo do local do evento
  • prejuízos por não-utilização do local
  • prejuízos por não-comparecimento do artista ou pessoa designada
  • danos a equipamentos eletroeletrônicos, musicais e cinematográficos
  • danos a equipamentos em exposição 

Responsabilidade Civil por Produtos Fabricados e Fornecidos

 

O seguro de RC por Produtos Fabricados e/ou Fornecidos protege as empresas pelos eventuais danos materiais e/ou corporais causados a terceiros (empresas clientes, ou consumidores finais), decorrentes de vício ou defeito de suas mercadorias ou produtos.

O conceito aqui é bem amplo, envolvendo a responsabilidade direta, a indireta, e a corresponsabilidade, protegendo aquele que fabricou o produto defeituoso, aquele que utilizou esse produto defeituoso na fabricação de seus produtos (por união, mistura ou transformação), e também aquele que comercializou (via importação ou exportação) produtos defeituosos.

Responsabilidade Civil do Operador Aeroportuário

 

O seguro de Responsabilidade Civil do Operador Aeroportuário garante o prejuízo pelos danos materiais e/ou corporais causados a Terceiros, desde que ocorridos no interior dos aeroportos.

Entende-se por Operador Aeroportuário todo e qualquer indivíduo ou empresa que ofereça suporte em terra aos operadores de aeronaves, ou que preste serviços no interior dos aeroportos, tais como:

  • manuseio de bagagens
  • assistência a passageiros/turistas
  • serviços de catering (fornecimento de alimentos)
  • serviços de pushback (reboque de aeronaves)
  • abastecimento de aeronaves
  • fornecimento de produtos e peças para aeronaves
  • reparo e manutenção de aeronaves

Estarão cobertos também por este seguro os danos materiais e/ou corporais causados pela circulação dos veículos de propriedade do Contratante, ou a seu serviço, desde que ocorridos no interior dos aeroportos.

Responsabilidade Civil por Riscos de Petróleo & Gás

 

O seguro de RC Riscos de Petróleo & Gás cobre a responsabilidade civil e os bens envolvidos nas atividades ligadas às operações de prospecção, perfuração e produção de petróleo e/ou gás, seja no mar (offshore) ou em terra (onshore).

As principais coberturas incluem:

  • os danos materiais às plataformas, navios, sondas e seus equipamentos, decorrentes de fenômenos da natureza ou das operações
  • a responsabilidade civil por danos causados a terceiros, decorrentes dessas atividades
  • danos decorrentes da construção, reparos ou manutenção de plataformas, navios ou sondas
  • os danos materiais ou financeiros (lucros cessantes) causados pela ocorrência de situações de guerra ou greves durante a vigência da apólice
  • a responsabilidade civil dos prestadores de serviços offshore

DICAS – RC EMPRESARIAL

Importância da contratação do seguro de responsabilidade civil geral (RCG) para a empresa

Cada vez mais as empresas necessitam contratar esse seguro para garantir reclamações de terceiros, por danos involuntários que possam lhes causar.

Existem várias modalidades de seguros de RCG, específicas para cada tipo de empresa, de acordo com os processos de fabricação e produtos, além dos riscos patrimoniais (imóveis e equipamentos).

As peculiaridades do seguro torna imprescindível a participação de um corretor de seguros que entenda bem o ramo para auxiliar a empresa na escolha das coberturas mais adequadas aos riscos a que está exposta.

Habilitação e experiência do corretor de seguros no ramo de RCG

Antes de assinar o contrato do seguro de sua empresa é importante consultar a situação cadastral de seu corretor no site da Susep, por meio do número de registro na Susep, nome completo, CNPJ ou CPF. Procure informações sobre a experiência dele e quais são seus principais clientes no ramo.

Coberturas do seguro

As coberturas a serem contratadas devem ser as que garantem os riscos da empresa, levando em conta características como porte (micro, pequena, média ou grande); atividade comercial, industrial ou de serviços; locais em que os produtos são processados ou em que os serviços são prestados; abrangência das operações (município, estado, país, exterior); e o montante disponível para investir nesse seguro.

A partir desses parâmetros, junto com seu corretor de seguros, a empresa deverá montar a apólice com as coberturas desejadas e os respectivos limites máximos de indenização (LMI) pretendidos.

O passo seguinte, ainda com a assistência do corretor de seguros, será obter com as seguradoras escolhidas (duas ou três) os orçamentos dos prêmios, por cobertura. Dificilmente o montante dos prêmios corresponderá ao valor disponível para a contratação. Será preciso compatibilizar o custo do seguro a ser contratado com os recursos disponíveis para esse fim.

Definição do limite máximo de indenização

Não existe critério geral para estabelecer o limite máximo de indenização (LMI) adequado. No entanto, alguns parâmetros poderiam ser utilizados:

  • LMI equivalente a um percentual do patrimônio líquido (PL) da empresa;
  • LMI equivalente a um percentual do faturamento da empresa;
  • LMI compatível com o prêmio disponível para a contratação do seguro; e
  • LMI do maior valor que se pode comprar.

Analisados os critérios acima, verifica-se que todos eles não resolvem efetivamente o problema, embora exista correlação entre os dados do balanço da empresa e a contratação do seguro.

O patrimônio líquido da empresa define o seu porte e, portanto, o limite de pagamento de indenizações.

O faturamento dos produtos que fabrica indica o potencial financeiro e sua exposição aos riscos de ações indenizatórias. As vendas da empresa servem de parâmetro para o volume de indenizações que poderão ser solicitadas.

De qualquer modo, deve-se levar em conta que empresas com elevado grau de projeção da marca e forte participação de mercado são os principais alvos de reclamação e estão sujeitas a pagar indenizações maiores.